Desenvolvimento de E-commerce

É possível encontrar o desenvolvimento de e-commerce mais eficaz para seu negócio

O ambiente digital trouxe novos caminhos aos pequenos e médios empresários, aumentando as chances de venda e trocas de confiança entre ele e o consumidor. Portanto, o desenvolvimento de e-commerce se tornou um tipo de serviço bastante procurado atualmente, principalmente por aumentar a receita e dar mais possibilidades de venda sem o consumidor sair de casa. 

As novas plataformas de e-commerce trouxeram grandes avanços no cenário, integrando a loja com o CRM da sua empresa, ferramentas de e-mail marketing e sistemas de vendas, para que erros como falta de estoque, problemas com produto e cadastros de consumidores sejam muito minimizados. Mais do que qualquer outra época, esse é o momento para investir em um novo formato de venda.

É importante ainda que preocupações próximas ao que empreendedores possuem com suas lojas físicas permaneçam, como estoque, logística, ofertas e promoções. Mas, além delas, o e-commerce precisa de cuidados específicos, como preço de frete e parcerias com os Correios ou transportadoras para envio dos materiais e um ótimo atendimento online.

Antes do desenvolvimento de e-commerce

Se você já possui uma loja física, sabe da importância de estar sempre lendo e analisando o mercado que atua e como os consumidores se comportam, mas se você vai começar do zero já no ambiente virtual, essas preocupações todas também são vitais. Antes de estruturar um site, estude bem sua área de atuação. A criação do site é o passo seguinte a todo esse estudo. 

Pode parecer simples apenas dizer “estude seu setor” sem ao menos dar qualquer referência. Nos dias de hoje há bastante estudo e pesquisas de consumo. Entender o consumidor hoje é um dos passos mais importantes do seu mercado. Você conversa com que tipo de público? É o jovem geek? Procure ler os livros de comunicação que falam sobre comportamento nas redes, algo como Cultura Participativa, Cultura da Convergência e Inteligência Coletiva. 

Se é uma área mais técnica, como a industrial, há recentes informações sobre fazer e-commerce focado no B2B. Caminhos existem, independente do público que você atinge. 

Após esses estudos gerais de comportamento de consumo e relacionamento,é preciso pensar como lojista. Quais os potenciais clientes de primeira? Há fornecedores para me ajudar? Os concorrentes estão muito na minha frente ou sequer existem? Reunir todas essas informações lhe ajuda a ter uma dimensão melhor nos passos que está dando. 

Em estudos mais gerais, é possível estudar as pesquisas do IBGE, Sebrae, Procon, Ebit e até do SPC Brasil antes de tomar uma decisão sem muito embasamento. Não subestime os números e a ciência social, são fatores muito importantes para o sucesso de um negócio e conhecê-los com cuidados podem contribuir pro crescimento da sua loja virtual.

Os passos do desenvolvimento de e-commerce

Antes mesmo de colocar a mão na massa nos códigos, plataformas e escolha de domínio, é interessante que se tenha um plano de ideias do que seria interessante uma loja virtual ter. Nem tudo de um e-commerce está ligado exclusivamente à processo de compra direta. 

O site pode ter abas dos produtos, mas também ter espaços dedicados à empresa, à projetos paralelos que faz parte, à estudos já lançados, ao blog, entre outros. Então, a ideia é que o cliente pense em um espaço virtual completo para sua empresa. Pesando essas questões, há em meios aos desenvolvedores focos de trabalho.

O desenvolvimento de e-commerce é mais rebuscado e meticuloso em comparação com um site institucional, e para os profissionais desenvolvedores, a maior preocupação é a experiência do usuário.

FALE SOBRE O SEU PROJETO

Estamos prontos para atende-lo e fazer uma análise completa do seu site.

Experiência do usuário (UX)

A experiência do usuário (UX) é importante em qualquer produto digital atualmente, isso é indiscutível. No caso do e-commerce, esse item recebe mais atenção por se tratar diretamente da compra de um usuário. Se o usuário não sente confiança no ambiente que ele está, ele vai fehcar o site e deixar produtos no carrinho, sem fechar a compra. 

Para que esse tipo de coisa seja pouco frequente, a experiência do usuário ajuda e muito no processo de compra fácil. Há inúmeras formas de demonstrar os processos de compra, mas aos olhos do consumidor, os passos para fechar a compra são:

  • Entrar no site e poder navegar sem dificuldades (as páginas são rápidas e logo na home é possível filtrar por setores de produtos);
  • A busca pelo produto precisa ser excelente, pois nem sempre ele; vai clicar direto na página do produto no Google, e sim vai para a home do seu site;
  • Página do produto bem demonstrada, com as principais informações na descrição.
  • Detalhes de preço, disponibilidade em estoque e botão para cálculo do frete;
  • Ao clicar na compra, tem os processos de cadastro, que devem ser claros para não afugentar o cliente; Há casos em que o cadastro não é necessário, mas as informações do consumidor têm de ser completas para o produto ser entregue corretamente.
  • No carrinho, permitir voltar ao site para continuar outras compras antes de fechar a compra total;
  • Deixar claro que o ambiente de pagamento é seguro e que as informações todas constatadas ali serão enviadas por e-mail, e criar um método simples de preenchimento.

Todas essas questões passam pelo crivo da experiência do usuário. Apesar de haver modelos padrões de páginas de e-commerce,é possível sempre personalizar e pensar como o consumidor se sentiria ali naquele ambiente. E por que pensar no consumidor na loja virtual é ainda mais importante do que se ele estivesse na sua loja física?

No meio digital o seu cliente pode ainda nem te conhecer, ou nunca ter comprado de você. Ele não sabe seu rosto, seus ideais, como é seu modo de vida, nada disso. Por isso a confiança que você leva é deixando as páginas bem estruturadas, rápidas e amigáveis para o consumidor. Se ele gostar da primeira compra, é bem possível que no futuro ele se lembre dessa boa experiência de compra.

Site responsivo

Atualmente os smartphones são computadores de menor escala, e as possibilidades com eles cresceram exponencialmente. Segundo a pesquisa da SPC Brasil, feita em julho de 2018, 74% dos brasileiros usam o smartphone em pelo menos um dos passos do processo de compra na internet. 

Entre esses processos, os smartphones estão sendo usados para pesquisas produtos e serviços (32%), comparar preços (28%) e efetivamente fazer a pagamentos e compras (14%). São percentuais impossíveis de ignorar, pois é muita gente buscando e acessando seu site pelo celular. 

O desenvolvimento de e-commerce não pode ser pensado apenas por meio do desktop (computador de mesa ou notebook), mas também no celular. São produtos diferentes e são analisados diferentes pelo próprio Google, então o ideal é que o e-commerce via celular seja melhor que o de desktop. 

O site responsivo precisa ser rápido, ter fácil navegação e, principalmente, estar totalmente adaptado para visualização nas telas dos smartphones atuais. Qualquer desconfiguração no celular é um problema sério, já que o consumidor ficará impaciente com esses erros e sairá da sua loja e provavelmente não vai acessá-la pelo desktop posteriormente. 

Imagine que com uma loja virtual, perder um consumidor é efetivamente perder uma venda, logo, dinheiro.

Pós-venda e atendimento

Ainda há confusões a respeito de como se comunicar através de uma loja virtual, mas a comunicação não se dá apenas no pós-venda, quando é preciso entregar o produto. É preciso pensar em um desenvolvimento de página de contato completa. Um fale conosco efiiciente, que ajude o consumidor a saber para onde ir ao pedir ajuda. 

É recomendado ter páginas de FAQ, e uma página clara de como funciona as vendas e a entrega. Nesse caso, pedir para configurar um chat box pode ser interessante, já que nem toda empresa possui um setor de SAC pronto para atender a todos. Deixe claro os horários de atendimento caso não possa fazer ele 24h por dia. 

É possível também pedir à equipe de desenvolvimento (como exemplo a Iwo Digital) para configurar as contas das redes sociais, como Instagram, Twitter, Facebook e LinkedIn. Até mesmo o Whatsapp pode ser configurado para enviar mensagens automáticos esclarecendo ao consumidor os horários e o que pode ser feito. 

Depois da venda, também é interessante manter contato com o lead, já que você possui ao menos o e-mail dele. Antes de parecer insistente de mandar mensagens para o e-mail privado do cliente, é recomendável deixar uma área para que o cliente permita o envio desses conteúdos por e-mail, caso ele não tenha assinado a Newsletter. 

E aí que entra o trabalho do e-mail marketing também, sendo uma ótima ferramenta pós-venda. Já explicamos um pouco mais sobre essa estratégia, que pode ser usada para diversos fins, e atingir especificamente grupos que interessam e que são leads em potencial.

Criar um ambiente seguro

Confiança é uma das palavras-chave do desenvolvimento de e-commerce. A criação da sua loja virtual tem que estampar segurança na hora da compra. As plataformas de e-commerce atuais já ajudaram muito nesse quesito, evitando que hackers coletem os dados dos clientes e saibam das compras passadas. 

É fundamental que todas as informações de segurança digital fiquem evidentes no site, seja no rodapé, ou em outra área que deixe claro quais as ferramentas que estão ali protegendo os dados e as compras das pessoas. Certificados de segurança também são importantes aqui, procure saber sobre eles. Lembre-se, seu consumidor não conhece seu rosto, ele precisa confiar por outras vias. 

Além disso, há algumas maneiras de agir para trazer segurança ao seu site de forma geral, e não apenas proteger os dados dos seus clientes, mas da sua própria empresa. Há muita informação pública na Internet e isso é motivo para preocupação sim.

Desenvolvimento de E-commerce

Fale um pouco do seu projeto